Em filosofia do tempo, presentismo é a tese que nem o futuro nem o passado existem. O oposto de presentismo é eternismo, a tese que aceita a existência em algum "lugar", de alguma maneira, eternamente, ou ao menos fora do tempo, do passado e do futuro. De acordo com o presentismo, eventos e entidades que estão inteiramente no passado ou inteiramente no futuro não existem efetivamente.

O presentismo se opõe ao eternismo e a crescente teoria do bloco do tempo, que sustenta que eventos passados, como a Descobrimento do Brasil, e entidades do passado, como Alexandre, o Grande, existiram efetivamente, embora não no presente (eternismo, mas não a crescente teoria dos blocos, estende isso para os eventos do futuro como um todo).